Depois de prestar socorro à população, de implementar programas de segurança alimentar e de assistência em saúde, a agência humanitária Camillian Task Force deixou o Quénia, país onde se tinha instalado devido a uma crise alimentar
Depois de prestar socorro à população, de implementar programas de segurança alimentar e de assistência em saúde, a agência humanitária Camillian Task Force deixou o Quénia, país onde se tinha instalado devido a uma crise alimentar a organização humanitária Camillian Task Force (CTF) concluiu recentemente a sua missão, em Wajir (Quénia), local para onde se tinha descolado em 2011, devido a uma grave crise alimentar no país, consequência de um longo período de seca e de conflitos militares. Este projeto terminou no dia 30 de junho, e criou uma ponte de solidariedade entre as comunidades muçulmanas e cristãs de Wajir, que tinham sido dependentes de ajudas alimentares, nos últimos dez anos, mas que agora demonstram que podem produzir comida no deserto.

Em 2011, quando a agência humanitária se instalou no Quénia, 385 mil crianças com menos de cinco anos de idade e 90 mil mulheres grávidas, ou em período de amamentação, foram afetadas por desnutrição aguda, recorda aris Miranda, sacerdote e coordenador internacional da CTF, numa mensagem enviada à agência Fides.

Para prestar socorro às vítimas foram então implementadas várias ações, que se desenvolveram em duas fases: seis meses para prestação de socorro e um ano para reabilitação. a primeira foi concentrada nos programas de saúde e alimentação, através de clínicas móveis e distribuição de comida e água.

a segunda baseou-se na capacitação das pessoas e na recuperação da comunidade. Foram aplicados programas de segurança alimentar, com agricultura de estufa, e de assistência em saúde, com a formação de técnicos e implementação de clínicas móveis. Nove vilas e milhares de famílias muçulmanas refugiadas da Somália em Wajir foram beneficiadas.