a distribuição gratuita de carvão pelos moradores da zona norte do rio Huai, no centro do país, está a contribuir para o aumento da poluição e para a redução da esperança média de vida da população
a distribuição gratuita de carvão pelos moradores da zona norte do rio Huai, no centro do país, está a contribuir para o aumento da poluição e para a redução da esperança média de vida da população as iniciativas económicas e ideológicas das autoridades chinesas estão a provocar o aumento da poluição no país e o agravamento das doenças associadas à degradação do meio ambiente. De acordo com um estudo recente, citado pela agência Misna, a distribuição gratuita de carvão aos habitantes da zona norte do rio Huai, que atravessa o centro da China, é apenas um dos exemplos. a esperança média de vida dos moradores diminuiu cinco anos e meio. Entre 1950 e 1980, o governo promoveu também a colocação gratuita de aquecimento doméstico nas casas de 500 milhões de chineses e fez disparar a concentração de poluentes para níveis 55 por cento mais altos do que os registados nas zonas a sul do mesmo rio. O projeto continua a ter consequências graves, ao causar o aumento de doenças cardíacas e pulmonares, segundo o relatório da investigação feita em 90 cidades, por especialistas chineses, americanos e israelenses. a análise sugere que a política governamental para a região do rio Huai, com a intenção de proporcionar aquecimento gratuito à população, teve consequências desastrosas para a saúde humana, referem os investigadores, que esperam contribuir com este trabalho para ajudar outras economias emergentes a encontrar formas convenientes de associar o crescimento económico aos cuidados de saúde. O relatório foi publicado num período em que as autoridades chinesas estão sob forte pressão da comunicação social e da população para resolver os problemas de contaminação do ar, água e alimentos, que já constituem uma situação de emergência, pois os valores são muito superiores aos considerados perigosos pela Organização Mundial da Saúde.