Gregório Rosa Chavez, que recentemente esteve em Portugal a convite dos Missionários da Consolata, leu uma declaração aos fiéis, lastimando a violência que se vive em El Salvador. Na última vaga de homicídios, morreram sobretudo jovens e crianças
Gregório Rosa Chavez, que recentemente esteve em Portugal a convite dos Missionários da Consolata, leu uma declaração aos fiéis, lastimando a violência que se vive em El Salvador. Na última vaga de homicídios, morreram sobretudo jovens e criançasO bispo auxiliar de San Salvador, Gregório Rosa Chavez, manifestou-se preocupado com a situação de violência em El Salvador, resultante da luta entre gangues. Os confrontos já provocaram pelo menos 61 mortos nos primeiros dias de julho e as vítimas são na maioria jovens e crianças, denunciou o prelado no final de uma missa, na Catedral Metropolitana. É o Estado que deve garantir a nossa segurança como cidadãos, mas infelizmente não existe esta perceção na comunidade. a credibilidade e a sustentabilidade são duas condições importantes para fazer com que a população consiga crer nas tréguas das gangues.como fizemos desde o início, o processo de paz é frágil e estamos atualmente num momento de crise, afirmou Chavez, citado pela agência Fides. Em março de 2012, os principais gangues que atuam no país, Mara Salvatrucha (MS-13) e Barrio 18, proclamaram uma trégua que contribuiu para uma diminuição de mais de 50 por cento no número de homicídios. Mas segundo um relatório da polícia, pelo menos vinte dos últimos homicídios foram perpetrados por gangues e teme-se que o período de tréguas já tenha terminado. O bispo auxiliar de San Salvador esteve em Portugal em maio, a convite dos Missionários da Consolata, para uma série de conferências sobre a doutrina profética de Óscar Romero, o arcebispo da capital de El Salvador morto a tiro quando celebrava missa, em 1980.