Parte dos resultados excecionais da campanha do ano passado podem ir por água abaixo, por falta de condições logí­sticas para armazenar convenientemente o algodão em excesso
Parte dos resultados excecionais da campanha do ano passado podem ir por água abaixo, por falta de condições logí­sticas para armazenar convenientemente o algodão em excesso a reduzida capacidade de armazenamento, aliada à superprodução registada em 2012, provocou a desvalorização de cerca de duas mil toneladas de algodão em todo o país, revelou esta sexta-feira, 5 de julho, o organismo estatal que tutela o setor. Segundo Norberto Mahalambe, diretor do Instituto do algodão de Moçambique (IaM), os resultadas da campanha apanharam de surpresa os agricultores e industriais, que se viram incapazes de criar condições para lidar com as 184 mil toneladas colhidas. além da baixa capacidade para acondicionamento do algodão, foram também detetadas fragilidades na rede de transportes. ao nível da planificação temos que reconhecer que houve erros de previsão de rendimentos. Estes erros são motivados pelo facto de, historicamente, os rendimentos variarem de 300 para 550 quilogramas por hectare. Ninguém poderia adivinhar que as medidas que têm vindo a ser tomadas teriam um impacto tão rápido no aumento da produção, sublinhou o responsável, em declarações à imprensa local. Para evitar que o país volte a perder dinheiro por deficiências logísticas no armazenamento, escoamento e processamento do algodão, Norberto Mahalambe garantiu que foram tomadas várias medidas concretas. Este ano fizemos um trabalho no setor da agricultura e a todos os níveis, incluindo as empresas de fomento e as instituições públicas que fazem a provisão de serviços ao setor do algodão. No setor da agricultura aprimorámos a constituição das brigadas de comercialização, revelou.