Movimento apoiado por mais de 300 organizações internacionais pede a aplicação de uma taxa sobre as transações financeiras à escala global. a ideia é usar as receitas para ajudar os países afetados pela instabilidade económica
Movimento apoiado por mais de 300 organizações internacionais pede a aplicação de uma taxa sobre as transações financeiras à escala global. a ideia é usar as receitas para ajudar os países afetados pela instabilidade económica a Plataforma Portuguesa das organizações não governamentais de desenvolvimento (ONGD) associou-se a mais de 300 organismos internacionais, de 46 países, e enviou uma carta aos diversos órgãos de soberania nacionais, pedindo que Portugal mantenha a intenção de aplicar uma taxa sobre as transações financeiras (TTF), para ajudar os portugueses e os países mais afetados pela instabilidade económica. a TTF tem várias vantagens. É uma maneira de obter do setor financeiro e da banca, até agora em grande parte isenta de taxas (por exemplo, isenção de IVa), uma contribuição justa e equilibrada, tanto mais necessária, considerando que este setor tem sido financiado, em grande parte, pelos contribuintes, justificam os responsáveis da organização. Para a Plataforma Portuguesa das ONGD, esta taxa pode criar mais recursos para minimizar os efeitos económicos e sociais muito negativos causados pela crise e pelos cortes sociais em Portugal, na Europa e no Mundo. Nesse sentido, defendem que as receitas devem ser canalizadas para programas de luta contra a pobreza, combate às doenças pandémicas e minimização dos efeitos das alterações climáticas nos países em desenvolvimento. Segundo a organização, que se assume como representante da sociedade civil, nas últimas semanas, o lobby financeiro lançou uma série de ataques contra a TTF, na maioria dos casos baseados em histórias ficcionadas. Daí o apelo ao governo para que mantenha a sua posição e escute a voz de milhões de cidadãos de todo o mundo, que clamam por uma taxa alargada, para assegurar maior estabilidade ao setor financeiro. Na carta enviada aos titulares de cargos políticos, a Plataforma Portuguesa refere que a aplicação de uma TTF alargada, abrangendo ações, títulos e derivados (como proposto pela Comissão Europeia), permitirá um aumento de receitas na ordem dos 34 mil milhões de euros a nível europeu, fundos vitais para ajudar a proteger empregos e serviços públicos e para garantir que Portugal cumpra os compromissos relacionados com o combate à pobreza e com as alterações climáticas.