Presidente da África do Sul cancelou a deslocação a moçambique e a população não acredita que o líder histórico resista à doença. as orações já ecoam no exterior do hospital onde o Prémio Nobel da Paz está internado
Presidente da África do Sul cancelou a deslocação a moçambique e a população não acredita que o líder histórico resista à doença. as orações já ecoam no exterior do hospital onde o Prémio Nobel da Paz está internado O Chefe de Estado da África do Sul, Jacob Zuma, cancelou a deslocação a Moçambique, que deveria iniciar esta quinta-feira, 27 de junho, depois de visitar Nelson Mandela no hospital e falar com os médicos sobre o estado do herói da luta contra o apartheid. Resignada, a população vai-se preparando para o pior. No exterior da unidade hospitalar, já se ouvem as orações em honra do ex-Presidente. O estado de saúde de Mandela, de 94 anos, tem vindo agravar-se nos últimos dias, devido a uma infeção pulmonar que o atormenta há dois anos e meio. Segundo Napilisi Mandela, um chefe de clã que veio da região natal de Mandela, Transkei (sul), citado pelas agências internacionais, o líder histórico está sob respiração assistida: Sim, ele precisa de aparelhos para respirar. É triste, mas é tudo o que pode ser feito. Em Qunu, a terra que viu crescer Mandela e onde ele disse querer ser sepultado, vários estudantes empunhando cartazes prestam homenagem ao Prémio Nobel da Paz de 1993 e lembram a importância histórica do homem que marcou a África do Sul. acho que a sua presença foi importante não apenas para a África do Sul, mas para o mundo. Sentimos a sua falta. Sabemos que vamos perdê-lo, disse um dos jovens.