Gigante da indústria quí­mica e energética adquiriu parte de um projeto multimilionário em águas angolanas. antes tinha comprado uma quota num dos depósitos mais ricos descobertos ao largo da costa de Moçambique
Gigante da indústria quí­mica e energética adquiriu parte de um projeto multimilionário em águas angolanas. antes tinha comprado uma quota num dos depósitos mais ricos descobertos ao largo da costa de Moçambique Meses depois de ter adquirido uma quota importante num dos depósitos de petróleo mais ricos ao largo da costa moçambicana, a Sinopec, uma das principais empresas chinesas do setor químico e energético, assumiu parte de um projeto multimilionário em angola. Pela aquisição de 10 por cento da concessão do Bloco 31 pagou 1,1 mil milhões de euros a uma multinacional norte-americana. a quota dos chineses neste projeto, segundo a agência Misna, chega aos 15 por cento, pois o grupo já havia comprado uma participação a uma firma francesa.com esta operação, Pequim reforça a sua presença no mercado da segunda potência petrolífera da região subsaariana. Em março, outra empresa chinesa tinha adquirido uma quota num depósito de petróleo e gás natural ao largo da costa norte de Moçambique por 3,2 mil milhões de euros. apesar dos receios de uma eventual redução relacionada com a crise internacional, o Produto Interno Bruto (PIB) da China deverá aumentar este ano mais de sete por cento. O crescimento sustentado tem sido fomentado também pela importação de energia e recursos naturais de África.