Os responsáveis de duas agências de ajuda humanitária elevaram esta sexta-feira o alerta sobre a insegurança alimentar que se agravou na Cisjordânia e Faixa de Gaza. Uma em cada três famílias palestinianas agora luta para alimentar as suas famílias
Os responsáveis de duas agências de ajuda humanitária elevaram esta sexta-feira o alerta sobre a insegurança alimentar que se agravou na Cisjordânia e Faixa de Gaza. Uma em cada três famílias palestinianas agora luta para alimentar as suas famílias Os resultados preliminares constataram que 1,6 milhões de pessoas – ou seja, 34 por cento das famílias – sofreram de insegurança alimentar em 2012. a pesquisa conjunta foi realizada por agências da ONU, nomeadamente o gabinete central de Estatísticas Palestiniano, o Programa alimentar Mundial (PaM), o gabinete de Socorro e Obras para Refugiados da Palestina no Médio Oriente (UNRWa) e a Organização para alimentação e agricultura (FaO ). Este número representa um aumento dramático de 27 por cento face a 2011, segundo o comunicado conjunto do PaM e do UNRWa. Os fatores que mais contribuem para estes dados incluem as altas taxas de desemprego, o crescimento económico estagnado, os problemas financeiros da autoridade Palestiniana, a ocupação israelita continuada de territórios na Cisjordânia e o bloqueio de seis anos de Gaza.