Responsáveis das Nações Unidas manifestaram a sua indignação com o ataque mortí­fero no complexo da ONU na capital Mogadí­scio, reiterando que este não impedirá a organização de ajudar o país no caminho para a estabilidade e desenvolvimento
Responsáveis das Nações Unidas manifestaram a sua indignação com o ataque mortí­fero no complexo da ONU na capital Mogadí­scio, reiterando que este não impedirá a organização de ajudar o país no caminho para a estabilidade e desenvolvimento Num momento em que todos os dados apontavam para a estabilidade na Somália, uma carrinha carregada de explosivos abalou o processo de pacificação deste país do Corno de África e deixou um rasto de mortos e feridos. De acordo com a Missão de assistência das Nações Unidas na Somália (UNSOM, na sigla inglesa), a carrinha de caixa aberta (tipo pick-up’) cheia de explosivos foi detonada em frente ao portão do complexo comum das Nações Unidas – no qual residem e trabalham trabalhadores das agências humanitárias e de desenvolvimento da ONU. Os atacantes de seguida entraram a pé no complexo, ouvindo-se tiros e outras explosões. O pessoal da UNSOM refugiou-se em áreas seguras. as Nações Unidas confirmaram que, entre os mortos, está um membro da equipa internacional, três empreiteiros e quatro guardas de segurança somaliana. Um número de civis somalianos também foram feridos e mortos no exterior do complexo. O secretário-geral [da ONU] está profundamente triste pela perda de vidas na família da ONU, dos seus contratantes e entre os somalianos, referiu Ban Ki-moon, através de um comunicado emitido pelo seu porta-voz em Nova Iorque, EUa.