Pacto entre o governo e os tuaregues que ocupam a cidade de Kidal, no norte do país, prevê o cessar-fogo imediato e abre portas à realização das eleições presidenciais, agendadas para o mês de julho
Pacto entre o governo e os tuaregues que ocupam a cidade de Kidal, no norte do país, prevê o cessar-fogo imediato e abre portas à realização das eleições presidenciais, agendadas para o mês de julho O governo do Mali e os rebeldes tuaregues que detêm o controlo da cidade de Kidal assinaram um acordo terça-feira, 18 de junho, que permitirá a realização das eleições presidenciais de 28 de julho. O documento foi ratificado na capital do Burkina Faso e, além do cessar-fogo, prevê o regresso do exército regular a Kidal e o desarmamento dos insurgentes. a entrega das armas por parte dos elementos dos grupos tuaregue, porém, só acontecerá quando for assinado um acordo global e definitivo de paz entre as novas autoridades instaladas depois das eleições e as comunidades e grupos armados do norte do país. O pacto pôs fim a 10 dias de intensas conversações, mediadas pelo Presidente do Burkina Faso, Blaise Compaoré. O entendimento entre as partes em confronto mereceu o aplauso da comunidade internacional. O representante do secretário-geral da ONU no Mali, Bert Koenders, considerou-o um avanço significativo para a estabilização do país, e a União Europeia fez saber que se trata de um acordo histórico.