Um campo que servia de abrigo a mais de uma centena de famílias desalojadas pelo terramoto de 2010 foi destruído por desconhecidos. Este tipo de ataques está a crescer no país e a deixar preocupados os responsáveis da ONU
Um campo que servia de abrigo a mais de uma centena de famílias desalojadas pelo terramoto de 2010 foi destruído por desconhecidos. Este tipo de ataques está a crescer no país e a deixar preocupados os responsáveis da ONU Um acapamento de desalojados, situado a oeste de Port-au-Prince, no Haiti, foi arrasado por um trator manobrado por desconhecidos, deixando sem abrigo perto de 150 famílias que ficaram sem casa no terramoto de janeiro de 2010. a denúncia foi feita esta terça-feira, 11 de junho, pelos responsáveis do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), que estão preocupados com o aumento deste tipo de atos de vandalismo. Os abrigos encontravam-se num terreno privado, na zona de Péguy Ville, mas ao contrário do que costuma acontecer, o proprietário do espaço não terá tido responsabilidade no ataque. Só este ano, mais de 1. 000 famílias foram retiradas à força dos alojamentos improvisados e viram-se obrigadas a viver nas ruas. E estima-se que perto de 75 mil pessoas estejam na iminência de vir a passar pelo mesmo. Segundo informações dos observadores da ONU, o governo haitiano tomou conhecimento dos despejos ilegais e comprometeu-se a mandar investigar para identificar os responsáveis. No entanto, o fenómeno continua a crescer e a ameaçar o milhão e meio de pessoas que ficou sem teto, depois do tremor de terra, há três anos.