autoridades de Luanda deram ordem de expulsão a milhares de congoleses em situação ilegal no país. Muitos atravessam a fronteira em condições dramáticas, sem assistência e alimentação
autoridades de Luanda deram ordem de expulsão a milhares de congoleses em situação ilegal no país. Muitos atravessam a fronteira em condições dramáticas, sem assistência e alimentação Nas últimas semanas, mais de 50 mil pessoas atravessaram a fronteira entre angola e a República Democrática do Congo (RDC), após terem recebido ordem de expulsão das autoridades de Luanda, denunciou a organização não governamental Médicos do Mundo. Sem assistência e sem bens alimentares, muitos dos repatriados estão a passar por dificuldades. De acordo com os dirigentes da organização internacional, a maioria dos congoleses expulsos atravessa a fronteira em condições muito dolorosas e as mulheres são frequentemente vítimas de abusos sexuais. Sensíveis a este drama, os moradores da província de Bandundu, na RDC, lançaram recentemente um apelo a Kinshasa, pedindo vestuário e alimentação para ajudar 5. 000 congoleses expulsos de angola. Na província de Katanga, foi o próprio administrador do território a reclamar apoio urgente para duas centenas de repatriados, que vivem numa situação precária. Os Médicos do Mundo, citados pela agência Fides, referem ainda a existência de casos preocupantes nas regiões de Muanda de Kasai Oriental.