a produção agrí­cola deverá abrandar ao longo da próxima década, em grande parte devido à expansão limitada de terra arável, ao aumento dos custos de produção e às pressões ambientais e limitações de recursos, notaram os relatores da ONU
a produção agrí­cola deverá abrandar ao longo da próxima década, em grande parte devido à expansão limitada de terra arável, ao aumento dos custos de produção e às pressões ambientais e limitações de recursos, notaram os relatores da ONU a agência alimentar das Nações Unidas lançou quinta-feira, 6 de junho, em Pequim, China, o seu relatório sobre as perspetivas da agricultura global, onde aponta para um abrandamento da produção agrícola ao longo da próxima década. Embora relativamente resistentes a crises económicas, os mercados agrícolas continuam a refletir o impacto de uma economia global a duas velocidades, com fraca recuperação nos países desenvolvidos e um crescimento vibrante em muitos países em desenvolvimento, notaram os autores do Relatório agrícola 2013-2022, produzido pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Organização para a agricultura e alimentação (FaO) e da ONU. O relatório deste ano contém um capítulo especial sobre o futuro da agricultura na China, cuja produção agrícola aumentou 4,5 vezes desde 1980.com um quinto da população do mundo, comparativamente com pouca terra agrícola e recursos hídricos, o foco da China na segurança alimentar e na autossuficiência permitiu-lhe melhorar o acesso aos alimentos.