Todos os anos 3,1 milhões de crianças perdem a vida devido à malnutrição, indica um estudo publicado na revista «The Lancet»
Todos os anos 3,1 milhões de crianças perdem a vida devido à malnutrição, indica um estudo publicado na revista «The Lancet» a malnutrição é responsável pela morte de 3,1 milhões de crianças todos os anos, indica um estudo publicado esta quinta-feira, 6 de junho, na revista The Lancet, no âmbito de uma série especial dedicada à nutrição materna e infantil. Segundo o trabalho de investigação, os problemas nutricionais estão na origem de 45 por cento de toda a mortalidade infantil. De acordo com a agência Lusa, o estudo resulta de uma análise das diferentes causas e consequências da malnutrição, como a baixa estatura para a idade e o baixo peso para a altura e para a idade, os quais resultam num maior risco de morte e doença para as grávidas e crianças. Num outro artigo desta edição especial, os investigadores apresentam dez intervenções que poderiam salvar 900. 000 vidas de crianças todos os anos, com um custo estimado de 9,6 mil milhões de dólares. Entre as intervenções indicadas estão o fornecimento de ácido fólico, cálcio e suplementos nutricionais a mulheres grávidas, a promoção da amamentação e de alimentos complementares às crianças quando necessário, o fornecimento de suplementos de vitamina a e zinco a crianças até cinco anos, assim como a utilização de estratégias comprovadas para tratar a malnutrição moderada a severa nas crianças. Os autores do estudo, liderado por Robert Black, da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, em Baltimore (EUa), também lembram que a subnutrição não afeta só as hipóteses de sobrevivência e as medidas das crianças, mas também tem consequências negativas no desenvolvimento dos mais pequenos, com efeitos no desempenho escolar e na suscetibilidade a doenças infeciosas.