a abolição da pena de morte será o tema central de um congresso mundial que se realiza em Madrid. é esperada a participação de representantes dos 57 países que ainda aplicam a pena capital

a abolição da pena de morte será o tema central de um congresso mundial que se realiza em Madrid. é esperada a participação de representantes dos 57 países que ainda aplicam a pena capital
a cidade de Madrid, Espanha, vai acolher o V Congresso Mundial contra a Pena de Morte, entre os dias 12 e 15 de junho, num esforço conjunto entre uma organização não governamental e o governo espanhol para a abolição desta prática a nível mundial. O objetivo é promover o diálogo com os representantes dos países que mantêm a pena capital em vigor e abrir caminho à extinção deste tipo de condenação. a questão da pena de morte é uma questão fundamental de direitos humanos, explicou à Europress Raphaël Chenuil Hazan, diretor geral da ECPM, a entidade promotora do encontro. De acordo com o último relatório da amnistia Internacional (aI), pelo menos 682 pessoas foram executadas em 21 países, em 2012. a maioria das execuções ocorrereu na China, Irão, Iraque, arábia Saudita, Estados Unidos e Iémen. Segundo a aI, a China condenou à morte mais pessoas do que o resto dos países do mundo juntos. No entanto, é desconhecido o número exato já que os dados são considerados secretos pelo Estado chinês. No caso do Iraque registaram-se 129 execuções, quase o dobro do que em 2011. O encontro realiza-se no Palácio Municipal de Congressos de Madrid, prevendo-se a participação de cerca de 1. 500 pessoas, de mais de 90 países. Serão organizadas duas sessões plenárias, centradas nos países do Médio Oriente, Norte de África e Ásia, e criadas 11 mesas redondas, onde se falará de regiões e países em concreto, como o Irão, Estados Unidos e Europa, e de outros aspetos, como a inocência e abolição, menores de idade e pena de morte ou narcotráfico e pena de morte.