Ban Ki-moon apelou aos governos e investidores privados para serem corajosos e ajudarem esta região africana a deixar para trás o seu passado conturbado e construir uma «nova narrativa», baseada na paz, segurança e desenvolvimento a longo prazo

Ban Ki-moon apelou aos governos e investidores privados para serem corajosos e ajudarem esta região africana a deixar para trás o seu passado conturbado e construir uma «nova narrativa», baseada na paz, segurança e desenvolvimento a longo prazo
O secretário-geral das Nações Unidas fez quarta-feira, 29 de maio, o apelo à necessidade de construir uma nova narrativa, baseada na paz, segurança e desenvolvimento a longo prazo para a região africana dos Grandes Lagos, após informar o Conselho de Segurança da ONU sobre a sua visita de uma semana à República Democrática do Congo (RDC), ao Ruanda e ao Uganda, para onde Ban Ki-moon viajou com o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, e a enviada especial para a região dos Grande Lagos, Mary Robinson. a visita à região, que também incluiu paragens em Moçambique e em adis abeba, na Etiópia, visou apoiar o quadro de paz, segurança e cooperação para a RDC e a região dos Grande Lagos. Este acordo mediado pelas Nações Unidas, assinado em fevereiro por 11 líderes africanos, tem como objetivo acabar com os ciclos de conflito e de crise no leste da RDC – onde, nos confrontos mais recentes centrados na área de Goma, os rebeldes do Movimento 23 de março (M23) enfrentaram várias vezes as forças armadas nacionais da RDC (FaRDC) – e para construir a paz em toda a região.