é o apelo de um irmão que teme que abdullah seja executado pelas autoridades de Bagdad, depois de ter «confessado» pertencer à organização terrorista da al-Qaeda. O irmão diz que a confissão foi obtida sob tortura. Há um mês já tinha havido adiamento
é o apelo de um irmão que teme que abdullah seja executado pelas autoridades de Bagdad, depois de ter «confessado» pertencer à organização terrorista da al-Qaeda. O irmão diz que a confissão foi obtida sob tortura. Há um mês já tinha havido adiamento Mesfer azzam al Qahtani teme que o seu irmão, o saudita abdullah al Qahtani seja executado às mãos das autoridades iraquianas. Segundo Mesfer, ele confessou ser um membro da al-Qaeda depois de torturado. O caso suscitou um apelo urgente da amnistia Internacional, que lançou uma campanha para parar com esta execução que poderá estar iminente, como receia a família. Esta semana, a vida do meu irmão pode ser levada’ por uma confissão’, depois de ter sido torturado para a fazer. abdullah foi espancado, queimado e asfixiado pelas forças de segurança iraquianas para confessar’ que é um membro da organização terrorista al-Qaeda, denuncia o irmão Mesfer. Em carta aberta, este saudita exprime os receios da família. agora, o nosso medo é que as autoridades iraquianas executem abdullah, mesmo sem lhe permitirem que tenha, em primeiro lugar, um julgamento justo. [ a execução] poderá acontecer a qualquer momento. Já há um mês uma campanha da amnistia Internacional permitiu adiar a execução de abdullah. O irmão Mesfer agradece o apoio de então, mas insiste que o tempo de abdullah está cada vez vez mais a esgotar-se, uma vez que o tribunal iraquiano pode concordar com o promotor [do Ministério Público] pela não repetição do julgamento do saudita.