Modelo de agricultura promovido por agência das Nações Unidas pode fazer aumentar a produção em 400 por cento, de forma sustentável. Método experimentado com sucesso em vários países
Modelo de agricultura promovido por agência das Nações Unidas pode fazer aumentar a produção em 400 por cento, de forma sustentável. Método experimentado com sucesso em vários países Um novo modelo de agricultura ecológica desenvolvido pela Organização das Nações Unidas para a alimentação e agricultura (FaO) pode aumentar de forma sustentável a produção de mandioca até 400 por cento e fazer com que este produto de base deixe de ser encarado como um alimento dos pobres e passe a ser considerado como a cultura do século XXI, informaram os responsáveis da agência. Segundo a FaO, em vez de se fazer um uso intensivo de produtos químicos, a solução passa por adotar o modelo Produzir mais com menos, que permite alcançar uma maior produtividade, mantendo os solos em boas condições. Esta nova forma de cultura minimiza as perturbações causadas pela agricultura tradicional, como o uso do arado, e recomenda que se preserve uma cobertura vegetal de proteção sobre o solo. Em vez da monocultura típica nos sistemas de agricultura intensiva, o modelo proposto pela FaO incentiva o uso de culturas mistas e da rotação de culturas, e pressupõe uma gestão integrada de pragas que, em alternativa aos pesticidas químicos, utiliza materiais de plantio sem doenças e inimigos naturais das pragas, para controlar os insetos prejudiciais. a utilização deste método no Vietname obteve resultados espetaculares, com os agricultores a aumentarem a produção de mandioca de 8,5 para 36 toneladas – um acréscimo de mais de 400 por cento. Na República Democrática do Congo, verificaram-se aumentos de produção de 250 por cento, e na Colômbia, onde a utilização de fertilizante mineral por si só tinha falhado, a rotação do cultivo da mandioca com o feijão e o sorgo restaurou a produção, revelou a FaO. a mandioca é uma cultura altamente versátil, cultivada por pequenos agricultores em mais de 100 países. as raízes são ricas em hidratos de carbono, enquanto as suas folhas tenras contêm até 25 por cento de proteína, para além de ferro, cálcio e vitaminas a e C. Outras partes da planta podem ser usadas na alimentação de animais, e o gado criado à base de mandioca possui uma maior resistência a doenças e baixas taxas de mortalidade. É uma alternativa ao trigo e ao milho e pode substituir a farinha de trigo.