Os líderes africanos têm contribuí­do para «progressos marcantes» no combate à sida, tuberculose e malária no continente, destacou Ban Ki-moon, secretário-geral das Nações Unidas
Os líderes africanos têm contribuí­do para «progressos marcantes» no combate à sida, tuberculose e malária no continente, destacou Ban Ki-moon, secretário-geral das Nações UnidasO continente africano tem realizado progressos marcantes no combate à sida, tuberculose e malária, e as ações contra estas doenças constituem um dos maiores legados de África, afirmou Ban Ki-moon, secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), no último domingo, 26 de maio, durante um encontro com líderes africanos. Durante a reunião que decorreu em adis abeba, na Etiópia, Ban Ki-moon elogiou os presentes, ao destacar que a mudança dramática foi conquistada por ações coletivas tomadas através da organização União africana. Este responsável incentivou os chefes de Estado a continuar a investir numa África livre de sida e lembrou que a ONU vai continuar a forcecer apoio total para um futuro mais saudável do continente.
De acordo com dados citados por este responsável, o número de pessoas com HIV no continente caiu um quarto desde 2001. Ban Ki-moon referiu que as mortes causadas por malária diminuíram um terço e quase 13 milhões de pessoas receberam tratamento para a tuberculose.