Nonhlanhla nasceu numa pequena aldeia nas encostas do Vale das Mil Colinas, em pleno Kwa-Zulu, da África do Sul
Nonhlanhla nasceu numa pequena aldeia nas encostas do Vale das Mil Colinas, em pleno Kwa-Zulu, da África do SulJovem e bela, atraía sobre si o interesse de muitos jovens do seu clã, mas o pai tinha outros planos. Interiormente desejava que ela casasse com um jovem guerreiro de outro clã, esperando naturalmente que o casamento pudesse sarar as feridas de uma pequena guerrilha que já durava há algumas gerações entre o seu clã e o clã do jovem pretendente. Entretanto, eis que uma irmã Dominicana passou pela sua aldeia buscando jovens para o novo convento de Montebello e a jovem decidiu seguir esse caminho. a voz da irmã falou mais alto e Nonhlanhla entrou na comunidade das irmãs Dominicanas de Montebello. O pai é que não ficou muito contente já que perdia a oportunidade de fazer as pazes com o outro clã, para além de perder também o dote, que esperava receber da família do futuro pretendente. Nonhlanhla, entretanto, prosseguia os seus estudos e a sua formação religiosa, até ser admitida como postulante. aquando da sua profissão religiosa toda a sua família foi convidada. Vieram todos, contentes por participarem nesta cerimónia desconhecida. Todos, exceto o pai, que continuou entristecido por a filha o ter abandonado e de ter escolhido um outro esposo. Nonhlanhla seguiu as pisadas das outras irmãs e também ela se dedicou ao ensino na escola adjacente ao convento. aí continuou fazendo o bem, educando muitas jovens para a vida e contribuindo para uma maior consciencialização, mesmo entre os descendentes daqueles que o seu pai queria que ela apaziguasse. Foi só anos mais tarde que os dois fizeram as pazes. Já o pai tinha uma idade avançada quando voltaram a encontrar-se e ele reconheceu que afinal a filha tinha feito bem em seguir a sua vocação, o que quer que isso fosse. Reconhecia ele que, o que lhe interessava na vida era o imediato e que pudesse também sanar algumas quezílias do clã. E para isso contava também com a sua jovem filha. Mas alguns anos mais tarde também ele passou a ver com outros olhos a realidade à sua volta e o contributo que a sua filha deu à sociedade em geral. Embevecido pelo que via, o pai de Nonhlanhla passou também a acreditar. Viu que afinal havia algo mais importante do que o gado que apascentava e as terras que amanhava, algo que dava sentido a tudo o resto. Foi batizado no leito de morte. afinal Deus não procura pessoas de grande fé, mas pessoas dispostas a segui-lo. Mesmo que por caminhos travessos.