Peregrinação missionária levou grupo de benfeitores da Coreia do Sul à missão da Polónia e a Turim, Itália, para o contacto direto com o trabalho pastoral da Consolata. O calor do acolhimento deixou marcas no coração dos peregrinos
Peregrinação missionária levou grupo de benfeitores da Coreia do Sul à missão da Polónia e a Turim, Itália, para o contacto direto com o trabalho pastoral da Consolata. O calor do acolhimento deixou marcas no coração dos peregrinosapós visitas à Itália (2000), Quénia (2004), Espanha (2007) e Mongólia (2010), a peregrinação missionária deste ano da Coreia do Sul teve como destino a Polónia e Turim (Itália), onde a visita às nossas origens missionárias nos possibilitou agradecer pessoalmente ao allamano e à Mãe Consolata pela missão neste canto da Ásia que completou 25 anos em janeiro passado. Dezasseis benfeitores visitaram os missionários da Consolata na Polónia, uma missão que tem já cinco anos. a visita a este país da Europa de Leste foi uma experiência inesquecível para todos, tanto que alguns lamentavam não poderem ter ficado mais uns dias. De facto, a hospitalidade dos missionários e dos fiéis das duas paróquias visitadas deixou marcas no coração de todos. Foi bonito assistir a este encontro de dois mundos, de duas culturas, um encontro que confirmou a tese de que nós, seres humanos, somos basicamente iguais. a viagem teve início em Varsóvia, capital polaca e lugar onde os nossos missionários residem e trabalham. Mais do que os locais visitados, o que ficou no coração de todos foi a festa que teve lugar após a missa na paróquia a que pertence a comunidade missionária da Consolata, com cantos e danças no átrio, seguidos de um jantar partilhado no salão paroquial. O itinerário que tínhamos proposto levou-nos depois a Chestokova, awshwitz, Cracóvia e Wadowice (terra natal do Papa João Paulo II). O espírito de família com que o grupo foi acolhido e acompanhado pelos três dos quatro missionários da Consolata que trabalham na Polónia, ficou na memória dos benfeitores. Foi este mesmo espírito o encontrado em Turim, na comunidade da Casa Mãe e na dos anciãos em alpignano. De facto, uma das benfeitoras dizia que se sentia em casa. Muito sentida foi também a visita a estes missionários de idade avançada, os quais acolheram a comitiva com sorrisos fraternos e com alegria por poderem conhecer parte da nossa família made in Ásia. Estas peregrinações missionárias têm como objetivo principal dar a conhecer o trabalho do Instituto Missionário da Consolata nos vários cantos do mundo. Sendo a Coreia um país onde a Igreja Católica tem ainda um forte cariz diocesano, o objetivo mais amplo deste tipo de atividade é o de contribuir para a criação de uma mentalidade mais missionária ad gentes.