O número de pessoas no continente africano que recebem tratamento antirretroviral aumentou de menos de um milhão para mais sete milhões em mais de sete anos, de acordo com um relatório das Nações Unidas que documenta o progresso na resposta à sida
O número de pessoas no continente africano que recebem tratamento antirretroviral aumentou de menos de um milhão para mais sete milhões em mais de sete anos, de acordo com um relatório das Nações Unidas que documenta o progresso na resposta à sida São 7,1 milhões de pessoas que recebem tratamento antirretroviral no segundo maior continente do mundo, de acordo com um novo relatório. África tem sido incansável para procurar dar a volta à epidemia da sida, sublinhou o diretor executivo do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre VIH/sida (UNaIDS, na sigla inglesa), Michel Sidibé. O tratamento antirretroviral aumentou de menos de um milhão de pessoas que o recebiam em 2005 para os atuais 7,1 milhões, em 2012. Quase um milhão foram acrescentados no ano passado. E as mortes relacionadas com a sida também diminuíram 32 por cento no período de 2005 a 2011. a ONU/sida para África atribui este sucesso a uma forte liderança e responsabilidade compartilhada entre o continente africano e a comunidade global. Mas o relatório também pede um compromisso sustentado para garantir que África atinja o valor zero em novas infeções por VIH, na discriminação e nas mortes relacionadas com sida.