Um estabelecimento hospitalar dos Médicos Sem Fronteiras, no Sudão do Sul, foi destruído de forma a «tornar a instalação de saúde inoperante», deixando, desta forma, a população sem assistência
Um estabelecimento hospitalar dos Médicos Sem Fronteiras, no Sudão do Sul, foi destruído de forma a «tornar a instalação de saúde inoperante», deixando, desta forma, a população sem assistênciaUm hospital da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF), situado cidade de Pibor, no Sudão do Sul, foi destruído. Em comunicado, a organização refere que condena fortemente a destruição, e afirma que esta foi intencionalmente conduzida para tornar a instalação de saúde inoperante, impedindo, desta forma, a realização de operações até que grandes reparos sejam realizados.

Um esforço tremendo foi feito para destruir o stock de medicamentos, para cortar e derrubar as tendas dos armazéns, para saquear as alas do hospital e até mesmo para cortar cabos de eletricidade, arrancando-os das paredes, disse Richard Veerman, coordenador de operações dos MSF no Sudão do Sul, aos serviços de comunicação da organização.

Em consequência da danificação das instalações, cerca de 100 mil pessoas fugiram para o meio da mata em busca de segurança devido ao conflito entre o SPLa, exército do Sudão do Sul, e a milícia armada David YauYau. O hospital dos MSF é a única instalação hospitalar na província de Pibor. a alternativa mais próxima situa-se a mais de 150 quilómetros.

Só nos primeiros três meses de 2013, foram tratados neste estabelecimento três mil pacientes, sendo que mais de 100, inclusive soldados do SPLa, foram submetidos a cirurgias para ferimentos de guerra. a 19 de abril deste ano, os MSF tinham suspendido as suas atividades em Pibor, devido às ameaças direcionadas às equipas médicas e aos pacientes.

Depois de terem solicitado garantias de que as ações médico-humanitárias e a equipa poderiam desempenhar as suas funções sem obstáculos, uma equipa dos MSF preparava-se para reiniciar as atividades médicas quando o saque e a destruição ocorreram durante os dias 11 e 12 de maio. Esta é a sexta vez que uma instalação médica dos MSF é saqueada ou danificada no estado de Jonglei nos últimos dois anos.