Conflito entre habitantes do norte e sul, agravado pela seca e pela pobreza, está privar de comida cerca de 10 milhões de pessoas. a grave crise humanitária pode ameaçar a estabilidade do país, alerta a ONU
Conflito entre habitantes do norte e sul, agravado pela seca e pela pobreza, está privar de comida cerca de 10 milhões de pessoas. a grave crise humanitária pode ameaçar a estabilidade do país, alerta a ONU O coordenador humanitário da ONU no Iémen, Ismail Ould Cheikh ahmed, teme o agravamento das condições de vida no país, onde 10 milhões de pessoas estão a passar fome e mais de seis milhões estão privadas do acesso aos serviços básicos de saúde. Segundo o responsável, o conflito entre norte e sul colocou mais de metade da população a depender de assistência humanitária e a estabilidade do país, no sudoeste da Ásia, pode ficar comprometida. Em declarações à rádio ONU, ahmed disse que a situação política está a piorar e que o governo perdeu o controlo sobre parte do país. E recordou que o comando de Baiyan, alegadamente nas mãos da al-Qaeda, tem impedido o serviço de saúde à população. as crianças são as que oferecem maior preocupação. Mais de um milhão sofre de má nutrição aguda e 250 mil correm perigo de vida se não receberem ajuda. Para fazer face a este drama, o Programa Mundial de alimentos (PMa) está a precisar de 100 milhões de dólares (cerca de 77 milhões de euros). O Iémen enfrenta ainda o problema das dezenas de milhares de refugiados e migrantes, que cruzam o Golfo de Áden à procura de uma vida melhor naquela região.