No Cunene (angola), milhares de pessoas estão a sofrer com a falta de alimentos porque há dois anos que praticamente não chove
No Cunene (angola), milhares de pessoas estão a sofrer com a falta de alimentos porque há dois anos que praticamente não chove a seca que afeta a província do Cunene, no sul de angola, está a deixar em risco de fome mais de 300 mil pessoas. a situação é dramática e as crianças estão a abandonar a escola para levar o gado para as localidades de fronteira com outras províncias, disse Pio Ypunhate, bispo de Ondjiva, em declarações à Emissora Católica de angola. a mesma situação foi descrita por antónio Didalelwa, governador daquela região. Estamos preocupados com a situação. Há falta de alimentos, água para as pessoas e para o gado. Estamos a trabalhar num plano para conseguirmos ultrapassar essas dificuldades, referiu o responsável, citado pelo Jornal de angola. No município de Ombadja, os Serviços de Proteção Civil e Bombeiros distribuíram, na última semana 250 mil litros de água potável. a população dessas localidades está a passar momentos muito difíceis, porque há dois anos que praticamente não chove nas suas regiões, facto que está a prejudicar a economia das famílias, cuja base de subsistência é a agricultura e a criação de gado, lamentou o governador. O secretário de Estado do Interior para área de Serviços de Proteção Civil, Eugénio Laborinho, afirmou, em declarações ao Jornal de angola, que vão ser enviados para a província do Cunene os alimentos que já estão nos armazéns. O governo provincial já tomou as primeiras providências e a comissão composta pelos Ministérios da assistência e Reinserção Social e agricultura está a envidar esforços no sentido de mandar alimentos para aquela população assolada pela seca, referiu.