Os responsáveis do Movimento 23 de março (M23) dizem estar dispostos a atacar os militares tanzanianos destacados na nova força das Nações Unidas, que será instalada na República Democrática do Congo (RDC) nas próximas semanas
Os responsáveis do Movimento 23 de março (M23) dizem estar dispostos a atacar os militares tanzanianos destacados na nova força das Nações Unidas, que será instalada na República Democrática do Congo (RDC) nas próximas semanas O movimento rebelde que combate há mais de um ano o exército da República Democrática do Congo (RDC) ameaça atacar os militares tanzanianos que integrarem a brigada de intervenção da ONU, uma força autorizada a efetuar operações ofensivas no leste do país. O ministro dos Negócios Estrangeiros da Tanzânia já reagiu. Não vamos ao Congo como senhores de guerra. Vamos para ajudar os nossos vizinhos a alcançar a paz, mas os nossos militares irão retaliar se forem atacados pelos rebeldes do Movimento 23 de março (M23), assegurou Bernard Membe. a nova brigada deverá começar a instalar-se no terreno nas próximas semanas e está enquadrada na Missão de Estabilização da Organização das Nações Unidas na RDC (MONUSCO). É constituída por cerca de 3. 000 soldados, mais de 1. 000 provenientes da Tanzânia. Bernard Membe promete só retirar as suas tropas da missão se o M23 for desarmado, aceitar participar nas conversações de paz e parar de violar e assassinar inocentes.