O Programa alimentar Mundial alertou para o facto de a segurança continuar volátil no chamado «triângulo da Morte», uma área compreendida entre as cidades de Pweto, Manono e Mitwaba, na província congolesa de Katanga
O Programa alimentar Mundial alertou para o facto de a segurança continuar volátil no chamado «triângulo da Morte», uma área compreendida entre as cidades de Pweto, Manono e Mitwaba, na província congolesa de Katanga a deterioração das condições humanitárias e os ataques em curso por rebeldes Mai Mai obrigaram mais de 200 mil pessoas a fugirem das suas casas, desde abril, na República Democrática do Congo (RDC), de acordo com a porta-voz do Programa alimentar Mundial (PaM), Elisabeth Byrs.
Dentro desse triângulo, por causa dos ataques de grupos armados, a população fugiu e refugiou-se nas três cidades, disse, referindo-se a Pweto, Manono e Mitwaba, na província de Katanga. Os constantes ataques, saques e violações levaram a população primeiro a esconder-se no mato. Depois refugiaram-se nas cidades, onde o PaM está a ajudá-los com rações de comida e toda a ajuda humanitária possível.
Há atualmente 354 mil pessoas deslocadas internamente na província de Katanga, de acordo com estimativas das Nações Unidas, o que representa um aumento significativo de 55400 pessoas desde janeiro de 2012.