a ONU reiterou a necessidade do Governo nigeriano respeitar os direitos humanos durante as patrulhas de segurança, após relatos de que 220 civis foram mortos durante confrontos violentos entre forças militares e militantes islamistas do Boko Haram
a ONU reiterou a necessidade do Governo nigeriano respeitar os direitos humanos durante as patrulhas de segurança, após relatos de que 220 civis foram mortos durante confrontos violentos entre forças militares e militantes islamistas do Boko HaramEstamos muito preocupados com o grande número de vítimas, incluindo relatos que referem muitos civis, a destruição maciça de casas e propriedades, bem como o deslocamento que tem ocorrido ao longo das últimas semanas no nordeste da Nigéria, sublinhou o porta-voz do gabinete do alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR), Rupert Colville.
a ONU reiterou a necessidade das forças governamentais nigerianas respeitarem os direitos humanos. apelamos ao Governo que garanta que os seus esforços para alcançar a segurança estão em conformidade com os princípios dos direitos humanos, acrescentou Colville. E pediu que as forças de segurança e militares respeitem os direitos humanos e evitem o uso excessivo de força, na condução das operações, num momento em que as patrulhas alimentam o ressentimento local, especialmente quando há civis mortos ou que veem os seus bens danificados.
O renovado apelo é uma resposta a incidentes em Baga, uma cidade nas margens do lago Chade, em que combates eclodiram na noite de 16 de abril e continuaram por vários dias. O OHCHR sublinhou que os confrontos foram provocados pela morte de um soldado, quando este patrulhava a zona, depois de um ataque do grupo extremista islamista Boko Haram.