O governo do Iémen está empenhado em proteger os imigrantes, tendo conseguido libertar 1. 620 no último mês, que agora estão a ser assistidos por profissionais dos Médicos Sem Fronteiras
O governo do Iémen está empenhado em proteger os imigrantes, tendo conseguido libertar 1. 620 no último mês, que agora estão a ser assistidos por profissionais dos Médicos Sem Fronteiras as autoridades iemenitas libertaram, desde o dia 7 de abril, 1. 620 imigrantes que eram mantidos por contrabandistas em fazendas na região de Haradh, no norte do Iémen. Neste momento, os membros da organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) estão a assistir alguns desses imigrantes, onde se incluem crianças e mulheres. a maioria das pessoas que recebeu apoio psicológico dos MSF disse ter sido vítima de tortura. Muitos deles estão física e mentalmente exaustos e sofrem traumas psicológicos causados pelas terríveis condições e tratamento que receberam durante o período em cativeiro, explicou angels Mairal, psicóloga dos MSF, em declarações aos serviços de comunicação da organização humanitária. a equipa de profissionais da ONG tem também tratado doentes com pneumonia, malária e dengue, e optou por encaminhar 71 pessoas para o hospital administrado pelos MSF, em al-Mazraq. alguns dos imigrantes levados para o estabelecimento hospitalar foram vítimas de tráfico humano e submetidos a trabalho análogo à escravidão, sendo que algumas pessoas apresentavam sintomas de abusos verbais, físicos e sexuais. Em comunicado, os Médicos Sem Fronteiras reconhecem os esforços do governo do Iémen para libertar, abrigar e proteger os imigrantes em Haradh, afirmam que é importante dar continuidade a tal suporte e pedem apoio para as instituições que trabalham com esses imigrantes.