Os tempos modernos exigem à Igreja Católica respostas diferentes, destemidas e criativas. O desafio é grande, mas a convicção na verdade da fé pode revelar-se uma mais valia para as congregações religiosas. O repto foi lançado numa reunião em Fátima
Os tempos modernos exigem à Igreja Católica respostas diferentes, destemidas e criativas. O desafio é grande, mas a convicção na verdade da fé pode revelar-se uma mais valia para as congregações religiosas. O repto foi lançado numa reunião em FátimaIdentidade, convicção e clareza no diálogo. Estas são as três palavras-chave que resumem as comunicações transmitidas esta segunda-feira, 29 de abril, aos participantes na assembleia geral da Conferência dos Institutos Religiosos de Portugal (CIRP), em Fátima, e que podem ser vistas como parte de uma possível solução para os muitos desafios que hoje se colocam aos religiosos e religiosas ao serviço em Portugal e no mundo. Todos os períodos tiveram os seus desafios e durante muito tempo houve respostas muito tradicionais e muito clássicas. O boom’ que estamos a viver e que se calhar nos faz andar um pouco perdidos, pode ser uma mais valia, se o soubermos aproveitar, para nos enraizarmos na nossa identidade e se não tivermos medo de assumir quem somos, pela via da dimensão batismal, afirmou à Fátima Missionária a presidente da CIRP. Para Lucília Gaspar, superiora geral das Servas de Nossa Senhora de Fátima, a sociedade atual pede coisas diferentes do que pedia e as congregações têm que ir à essência, conhecerem o mundo em todas as suas vertentes e descobrirem as formas de chegar a esse mesmo mundo, tornando-se assim no verdadeiro fermento na massa, como proclama o Evangelho. Neste sentido, foram convidados três especialistas nas áreas da educação, cultura e comunicação social. Marco Daniel, diretor do Museu do Santuário de Fátima, alertou para a necessidade de um diálogo sem medo com as diferentes culturas; Octávio Carmo, chefe de redação da agência Ecclesia, chamou a atenção para a importância da presença na internet e nas redes sociais; e o padre Rui alberto abordou a questão da pluralidade e das interações em comunidade, com as influências que chegam do exterior. a reunião termina amanhã.