O número de bombardeamentos aéreos nos últimos dias foi o maior desde o início da guerra, na zona de Damasco, onde se travam duros combates
O número de bombardeamentos aéreos nos últimos dias foi o maior desde o início da guerra, na zona de Damasco, onde se travam duros combates as forças rebeldes da oposição e os militares do exército fiel a Bashar al-assad têm travado nestes dias os mais duros combates dos últimos dois anos, nos arredores de Damasco, capital da Síria. São os mais violentos confrontos registados desde o início da revolução, em março de 2011, informou o diretor do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), Rami abdel Rahman. Numa altura em que as autoridades internacionais confirmam a utilização de armas químicas no conflito sírio, a aviação do regime atingiu sexta-feira, 26 de abril, o recorde de bombardeamentos num só dia, desde a entrada em cena, em julho do ano passado. Quase todas as regiões do país foram sujeitas a ataques aéreos. Em Mouadamiyat al-Sham, no sudoeste da capital, a vida tornou-se insustentável. Os bombardeamentos são diários e milhares de moradores vivem sitiados. Não há leite para as crianças e as pessoas alimentam-se de pão embolorado, relatou uma testemunha ao telefone. De acordo com um registro provisório do OSDH, na sexta-feira morreram 18 civis e nove rebeldes nos confrontos.