Metade das escolas fechadas e centenas de milhares de estudantes em risco de perder o ano inteiro fazem da educação outra «vítima» do longo conflito na República Centro-africano. a UNICEF apelou a uma ação rápida por parte das autoridades
Metade das escolas fechadas e centenas de milhares de estudantes em risco de perder o ano inteiro fazem da educação outra «vítima» do longo conflito na República Centro-africano. a UNICEF apelou a uma ação rápida por parte das autoridadesO novo governo [centro-africano] deve dar prioridade à proteção e ao investimento no sistema de ensino do país, para respeitar e cumprir o direito fundamental das crianças à educação e proporcionar a esta geração de crianças a esperança num futuro saudável, afirmou Souleymane Diabaté, representante da UNICEF na República Centro-africano, onde mais de um milhão de crianças está fora da escola. Pelo menos 250 mil crianças que iniciaram o ano letivo de 2012-2013 no ensino básico, e 30 mil que estavam no ensino secundário, no início da crise, podem perder todo o ano letivo se as escolas não reabrirem nas próximas semanas, sublinhou a UNICEF. Metade dos estabelecimentos estão fechados. Depois da coligação rebelde Séléka ter lançado uma ofensiva em dezembro, 1,2 milhões de pessoas viram cortado o acesso a serviços essenciais. as violações dos direitos humanos espalharam-se à medida que os rebeldes, apesar de um acordo de paz, ganharam mais terreno e invadiram a capital do país, Bangui, no final de março.