Estão previstas atividades em todo o país, mas as comemorações podem ficar marcadas pelos protestos dos Índios que contestam a intenção do governo brasileiro de dar poderes ao Congresso Nacional para a demarcação das terras indígenas
Estão previstas atividades em todo o país, mas as comemorações podem ficar marcadas pelos protestos dos Índios que contestam a intenção do governo brasileiro de dar poderes ao Congresso Nacional para a demarcação das terras indígenas O descontentamento indígena, manifestado esta semana com a ocupação do Plenário da Câmara dos Deputados, ameaça ensombrar as festividades agendadas para esta sexta-feira, 19 de abril, data em que se assinala o Dia Nacional do Índio no Brasil. O governo decidiu criar uma comissão especial para a analisar a Proposta de Emenda à Constituição 215/2000, que dá ao Congresso Nacional poderes para demarcar terras indígenas, mas os índios não concordam com esta mudança e podem sair à rua em ações de protesto. O Dia do Índio foi instituído pelo Presidente Getúlio Vargas, em 1943, com o objetivo de recordar os direitos dos povos indígenas e lembrar aos brasileiros a importância que eles tiveram na história do país. até meados dos anos 1970, chegou a acreditar-se no Brasil que os índios estavam condenados à extinção. Mas na década seguinte assistiu-se a uma reversão da curva demográfica e, desde então, a população indígena tem crescido de forma constante. Os últimos dados, divulgados pela Fundação Nacional do Índio (FUNaI), dão conta da existência de mais de 890 mil indígenas no Brasil, distribuídos por mais de 230 etnias. Destas, pelo menos sete têm populações entre cinco e 40 elementos, que podem desaparecer enquanto povo. Em todo o mundo, estima-se que existam hoje pelo menos cinco mil povos indígenas, num total de mais de 350 milhões de pessoas.