Sempre que é escolhido um sucessor de São Pedro, os quatro mil funcionários do Vaticano costumam receber um prémio. Francisco quebrou a tradição e vai entregar parte da verba a uma instituição de solidariedade social
Sempre que é escolhido um sucessor de São Pedro, os quatro mil funcionários do Vaticano costumam receber um prémio. Francisco quebrou a tradição e vai entregar parte da verba a uma instituição de solidariedade social Por tradição, os funcionários da Santa Sé costumam receber uma gratificação extraordinária sempre que morre um Papa e é eleito o seu sucessor. O Papa Francisco decidiu contrariar este hábito e não vai dar qualquer prémio, preferindo entregar parte dessa verba a uma instituição de caridade. Em abril de 2005, alguns dias depois da morte de João Paulo II, os quatro mil colaboradores do Vaticano receberam um prémio de mil euros cada um. E, umas semanas mais tarde, voltaram a receber mais 500 euros, pela eleição de Bento XVI. agora, o Santo Padre decidiu agir de forma diferente, na linha do que já havia sublinhado que a Igreja Católica é pobre e é para os pobres, revela o jornal Público.