Estudo sócio-demográfico pretende avaliar as condições de vida e os problemas sentidos pelos mais de 4. 000 refugiados, originários de 70 países, que residem no país
Estudo sócio-demográfico pretende avaliar as condições de vida e os problemas sentidos pelos mais de 4. 000 refugiados, originários de 70 países, que residem no paísO alto Comissariado da Organização das Nações Unidas para os Refugiados (acnur) vai realizar um estudo sócio-demográfico sobre o perfil dos refugiados que vivem no Brasil. a agência da ONU quer saber quais são as vulnerabilidades e necessidades das pessoas, de acordo com o género, raça, idade e diversidade.
O objetivo do estudo, que terá a duração de 18 meses, passa por ajudar o governo brasileiro a construir políticas públicas em prol desses grupos. Este levantamento irá trazer maior clareza sobre a situação dos refugiados num país grande e diverso, considera andrés Ramirez, representante do acnur no Brasil, segundo a Rádio das Nações Unidas.
O presidente do Comité Nacional para os Refugiados (Conare), Paulo abrão, sublinha que é necessário direcionar um conjunto de novas ações, e a identifição dos problemas dos refugiados irá ajudar o governo nesse sentido. O levantamento será feito em parceria com o Conare, e o Instituto de Pesquisas Económicas aplicadas. No Brasil, vivem atualmente 4,7 mil refugiados, originários de 70 países.