Prosseguindo a sua catequese sobre o Credo, neste ano da Fé, o Bispo de Roma convidou a «dar testemunho da alegria de ser filhos de Deus e da liberdade que nos traz o viver em Cristo»
Prosseguindo a sua catequese sobre o Credo, neste ano da Fé, o Bispo de Roma convidou a «dar testemunho da alegria de ser filhos de Deus e da liberdade que nos traz o viver em Cristo»Na audiência geral desta quarta-feira, dia 10, o Papa Francisco, na sua catequese semanal, procurou responder à pergunta: O que significa para a nossa vida a Ressurreição?Falou por isso dos fundamentos da fé cristã, afirmando que a nossa fé apoia-se sobre a morte e ressurreição de Cristo, como uma casa está apoiada sobre os alicerces: se estes cedem, cai a casa. E disse que os cristãos devem ter a coragem da fé, não se deixando levar pela mentalidade que afirma: Deus não é solução, não tem nada de importante para ti. Na verdade, explica o Papa, é precisamente o contrário! a ressurreição de Jesus é tão importante, que, se Cristo não ressuscitou – escreve São Paulo -, é vã a nossa fé’. Prosseguiu dizendo que a tentação de deixar Deus de lado para nos colocarmos a nós próprios no centro está sempre à porta e a experiência do pecado fere a nossa vida cristã. Ser cristão – prosseguiu o Santo Padre – não se reduz a seguir mandamentos, mas quer dizer estar em Cristo, pensar como Ele, agir como Ele, amar como Ele; é deixar que Ele tome posse da nossa vida e a mude, a transforme, a liberte das trevas do mal e do pecado. Este é o maior dom que recebemos do mistério pascal de Jesus. E a nossa vida será nova, se nos comportarmos como verdadeiros filhos, deixando que Cristo tome posse da nossa vida, nos transforme e faça como Ele. Cristo ressuscitado é a nossa esperança. Deus é a nossa força, concluiu o Santo Padre. O tema desta catequese foi retomado no twitter do papa com duas mensagens:Se nos comportarmos como filhos de Deus, sentindo-nos amados por Ele, a nossa vida será nova, cheia de serenidade e de alegria. Ser cristão não se reduz a cumprir mandamentos, mas é deixar que Cristo tome posse da nossa vida e a transforme. Saudando todos os peregrinos de língua portuguesa, dirigiu-se em particular aos grupos vindos de Coimbra e de São José do Rio Preto. agradeceu a presença de todos e desejou que cada um possa crescer sempre mais na vida nova de ressuscitados com Cristo.