Estados-membros devem alimentar a confiança entre si, estabelecendo e fortalecendo as normas globais em questões de desarmamento relacionadas com armas nucleares e convencionais. E manter negociações sobre o tratado de comércio de armas
Estados-membros devem alimentar a confiança entre si, estabelecendo e fortalecendo as normas globais em questões de desarmamento relacionadas com armas nucleares e convencionais. E manter negociações sobre o tratado de comércio de armas a alta representante das Nações Unidas para o Desarmamento lançou o desafio esta segunda-feira, depois do falhanço na semana passada em concluir-se o tratado global no comércio de armamento. ao longo da história dos esforços da ONU em matéria de desarmamento, os esforços para eliminar as armas de destruição em massa foram mantidos em simultâneo com os esforços para regular e reduzir as armas convencionais. Porque são objetivos que se reforçam mutuamente, afirmou angela Kane, na abertura da sessão anual de três semanas da Comissão de Desarmamento da ONU (UNDC), em Nova Iorque. a UNDC é um órgão deliberativo da ONU mandatado para fazer recomendações em matéria de desarmamento e para acompanhar as decisões e as recomendações da primeira sessão da assembleia Geral especial dedicada ao desarmamento, em 1978. a própria Comissão foi criada através da Resolução 502, em 1952, devido à ansiedade causada pela generalizada falta de confiança que então assolava o mundo e com um crescimento do armamento que conduzia cada vez mais ao medo de uma guerra, recordou angela Kane.