O ex-chefe de Estado de Timor-Leste foi distinguido pelo seu compromisso com a ação humanitária de apoio aos expatriados. Prémio será entregue pela rainha da Jordânia
O ex-chefe de Estado de Timor-Leste foi distinguido pelo seu compromisso com a ação humanitária de apoio aos expatriados. Prémio será entregue pela rainha da Jordânia José Ramos-Horta, ex-Chefe de Estado de Timor-Leste e atual representante das Nações Unidas das Nações Unidas na Guiné-Bissau, foi distinguido pela organização norte americana de apoio aos refugiados – Refugees International – com o prémio McCall-Pierpaoli. O galardão, que será entregue em maio pela rainha Noor, da Jordânia, visa reconhecer os que demonstram uma liderança extraordinária e um compromisso com a ação humanitária, segundo um comunicado da organização, citado esta quinta-feira, 28 de março, pela agência Lusa. Num primeira reação ao prémio, Ramos-Horta disse ter ficado verdadeiramente honrado e recordou que metade dos timorenses abandonaram as suas casas, a certa altura das suas vidas, e, portanto, o país conhece bem os horrores do deslocamento forçado. Em 1996, o ex-Chefe de Estado tinha recebido o Prémio Nobel da Paz, juntamente com o bispo Ximenes Belo, pelo trabalho conjunto para encontrar uma solução justa e pacífica para o conflito em Timor-Leste.