Viver a Semana Santa implica sair de si mesmos para ir ao encontro das periferias da existência, indo ter com os nossos irmãos mais necessitados de consolação e ajuda
Viver a Semana Santa implica sair de si mesmos para ir ao encontro das periferias da existência, indo ter com os nossos irmãos mais necessitados de consolação e ajudaNa primeira audiência Geral do seu pontificado, Papa Francisco refletiu sobre o que significa viver a Semana Santa. Recolhendo com grande reconhecimento e veneração o testemunho das mãos de Bento XVI, disse que depois da Páscoa retomará as catequeses do ano da Fé. E fez uma pergunta: O que é que significa para nós viver a Semana Santa? Que significa seguir Jesus no seu caminho para o Calvário, para a Cruz e a Ressurreição?Resumindo tudo aquilo que fez Jesus na sua vida pública, afirmou que Ele falou a todos sem distinção, aos grandes e aos humildes, ao jovem rico e à viúva pobre, aos poderosos e aos fracos; levou a misericórdia e o perdão de Deus; curou, consolou, compreendeu; deu esperança. E continuou dizendo a missão de Jesus foi levar a todos a presença de Deus que se interessa por cada homem e mulher, como faz um bom pai e uma boa mãe para cada uma dos seus filhos. Deus não esperou que fôssemos ter com Ele, mas foi Ele que se moveu para vir ter conosco, sem cálculos e sem medida. Deus é assim. É sempre o primeiro a vir ter connosco. E observou que Jesus não tinha casa própria porque a sua casa são as pessoas, somos nós, a sua missão é abrir a todos as portas de Deus, ser presença do amor de Deus. E é na Semana Santa, que vivemos o vértice deste caminho, deste desígnio de amor que percorre toda a história das relações entre Deus e a humanidade. aplicando tudo o que disse à vida das pessoas, Francisco afirmou que viver a Semana Santa quer dizer aprender a sair de nós mesmos para ir ao encontro dos outros, ir até às periferias da existência, sermos os primeiros a dar o passo para irmos ao encontro dos nossos irmãos e irmãs, sobretudo dos mais esquecidos, daqueles que precisam de compreensão, de consolação, de ajuda, porque no mundo há tanta necessidade de levar a presença viva de Jesus misericordioso e rico de amor. Viver a Semana Santa – concluiu – é entrar sempre mais na lógica de Deus, na lógica da Cruz, que não é tanto a lógica da dor e da morte, mas a lógica do amor e do dom de si que é portador de vida. Referindo-se ao que se passou nestes dias na República Centro africana, o Papa assegurou a sua oração por todos aqueles que sofrem, em particular pelos familiares das vítimas, os feridos e as pessoas que perderam a sua casa e que são obrigadas a fugir e pediu aos intervenientes no conflito que cessem imediatamente a violência e os saques, e se encontre quanto antes uma solução política para a crise que restitua a paz e a concórdia nesse país, há muito marcado por conflitos e divisões.