a defensora dos direitos humanos e autora de um blogue de oposição ao regime cubano foi impedida de usar a sala oficial das conferências de imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova York
a defensora dos direitos humanos e autora de um blogue de oposição ao regime cubano foi impedida de usar a sala oficial das conferências de imprensa na sede das Nações Unidas, em Nova York Yoani Sánchez, a bloguista cubana que está em digressão internacional para denunciar a opressão que se vive em Cuba, desencadeou um incidente diplomático, ao ter sido impedida de utilizar a sala oficial de conferências de imprensa das Nações Unidas, na sede da organização, em Nova York, nos Estados Unidos da américa (EUa). a ativista, que vai ser distinguida nos EU a pelo seu trabalho em defesa dos direitos humanos, foi convidada pela associação de Correspondentes da ONU, mas em cima da hora teve que falar aos jornalistas numa sala improvisada, depois de Cuba ter intercedido para que Sánchez não fosse autorizada a discursar no grande auditório. Durante a conferência de imprensa, realizada esta quinta-feira, 21 de março, a bloguista, de 37 anos, denunciou as ações do longo braço do castrismo para evitar que as vozes críticas não governamentais tenham acesso a espaços em organismos internacionais, e indicou que já é hora de a ONU sair de sua letargia e reconhecer que o governo cubano é uma ditadura. O blogue de Yoani Sánchez começou inspirado em pessoas com nomes com a letra ípsilon, como o da autora, mas rapidamente ultrapassou fronteiras, ao abordar sem complexos alguns dos temas tabú em Cuba. Em Geração Y, que está traduzido em 20 línguas, há histórias de gente marcada pelas escolas rurais, pelos bonequinhos russos, pelas saídas ilegais e a pela frustração de viver num país oprimido.