Uma caravana itinerante está a percorrer várias regiões do Sudão do Sul sensibilizando a população para a entrega voluntária das armas. Os promotores da campanha disponibilizam-se para fomentar o diálogo entre comunidades rivais
Uma caravana itinerante está a percorrer várias regiões do Sudão do Sul sensibilizando a população para a entrega voluntária das armas. Os promotores da campanha disponibilizam-se para fomentar o diálogo entre comunidades rivais a disposição para o diálogo dá mais resultados do que as pistolas e as kalashnikov. Esta é a ideia base da Caravana para a Segurança das Comunidades, uma campanha itinerante que está a percorrer dez estados do Sudão do Sul, com o objetivo de convencer os moradores a entregarem voluntariamente as armas que têm em casa. a iniciativa começou no estado de Jonglei, a região onde nos últimos anos se têm verificado os efeitos mais devastadores das tensões entre grupos étnicos. Nas situações mais complicadas, os responsáveis das entidades promotoras disponibilizam-se também para promover o diálogo e incentivar a resolução pacífica dos conflitos. O Sudão do Sul tornou-se independente do Sudão em julho de 2011, após um longo período de guerra civil. Tradicionalmente, têm surgido conflitos entre as comunidades que disputam o controlo dos recursos naturais, do gado e das pastagens. Segundo a agência Misna, nos últimos dois anos, só no estado de Jonglei, morreram perto de mil pessoas neste tipo de confrontos.