além de degradar ecossistemas, a desflorestação ilegal «contribui para a redução da segurança alimentar, especialmente no caso dos mais pobres», alertou o diretor-geral da FaO, no âmbito de uma cerimónia que assinalou o Dia Internacional das Florestas
além de degradar ecossistemas, a desflorestação ilegal «contribui para a redução da segurança alimentar, especialmente no caso dos mais pobres», alertou o diretor-geral da FaO, no âmbito de uma cerimónia que assinalou o Dia Internacional das FlorestasO primeiro Dia Internacional das Florestas é comemorado esta quinta-feira, 21 de março, pela Organização das Nações Unidas (ONU). Numa cerimónia que assinalou a efeméride, José Graziano da Silva, diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a agricultura e alimentação (FaO), sugeriu que os países adotem um objetivo de desflorestação ilegal zero. Em muitos países, a desflorestação ilegal degrada ecossistemas, reduz a disponibilidade de água e limita a oferta de lenha, o que contribui para a redução da segurança alimentar, especialmente no caso dos mais pobres, alertou este responsável. acabar com a desflorestação ilegal e com a degradação florestal seria um grande passo na erradicação da fome e da pobreza extrema e na promoção da sustentabilidade, afirmou, segundo um comunicado enviado à imprensa. O primeiro relatório da FaO sobre O Estado das florestas mediterrânicas, lançado esta quinta-feira, refere que estes espaços podem vir a ser bastante afetados pelas alterações climáticas, existindo a possibilidade de sofrerem uma enorme pressão devido ao crescimento da população, o que resultará, simultaneamente, no aumento da competição por água e alimentos, recursos já escassos nas florestas mediterrânicas. Segundo este estudo, são urgentemente necessárias novas estratégias colaborativas para a gestão sustentável destes ecossistemas. Em países como a Turquia e a Tunísia, onde tem havido uma forte vontade política, a área florestal recuperou significativamente nas últimas décadas, refere o documento, adiantando que as alterações climáticas podem resultar numa maior ocorrência de incêndios e no aumento da sua gravidade.