Relatório das Nações Unidas mostra que o número de mortes sob detenção na República Democrática do Congo quase duplicou em 2012. as condições em que vivem os presos continuam a ser extremamente pobres na maioria dos centros de detenção
Relatório das Nações Unidas mostra que o número de mortes sob detenção na República Democrática do Congo quase duplicou em 2012. as condições em que vivem os presos continuam a ser extremamente pobres na maioria dos centros de detenção O relatório, que é o resultado de investigações realizadas pelo gabinete das Nações Unidas de Direitos Humanos na República Democrática do Congo (RDC), divulgado na quarta-feira, constatou que 54 civis morreram em centros de detenção, em 2010, e 56 em 2011. Por comparação, registaram-se 101 mortes em 2012. Destas 101 mortes, 24 foram causadas por tortura ou maus-tratos, uma descoberta que o relatório descreve como extremamente preocupante, de acordo com um comunicado de imprensa. as outras mortes foram causadas pelas más condições dos centros, incluindo a superlotação, a desnutrição, o acesso limitado a cuidados de saúde e a falta de recursos. alguém privado da sua liberdade, nunca deve morrer de fome ou por maus-tratos, afirmou a alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay. É responsabilidade do Estado manter os prisioneiros vivos e de boa saúde, de acordo com as normas internacionais. Os problemas muito graves e persistentes nas condições de detenção na RDC necessitam de ser resolvidos sem demora.