Na Nigéria, está quase concluí­da uma escola flutuante de três andares que terá capacidade para acolher cerca de 100 alunos. Esta estrutura está localizada numa zona que é regularmente afetada por inundações, e que até agora só tinha uma escola primária
Na Nigéria, está quase concluí­da uma escola flutuante de três andares que terá capacidade para acolher cerca de 100 alunos. Esta estrutura está localizada numa zona que é regularmente afetada por inundações, e que até agora só tinha uma escola primária Os habitantes de Makoko, na cidade portuária de Lagos, na Nigéria, vivem numa zona propensa a inundações. Por isso, há várias décadas que os moradores tentam adaptar-se às condições ambientais adversas, nomeadamente através da construção de casas sobre estacas e deslocando-se de canoa. Para ajudar a cidade de 250 mil habitantes a lidar com o problema das inundações, o arquiteto nigeriano Kunle adeyemi criou uma série de estruturas flutuantes com acesso a condições básicas de saneamento, água potável e eliminação de resíduos. Uma dessas construções é uma escola de três andares que está quase concluída. a estrutura conta com 256 barris de plástico na base, o que permite à construção flutuar, e energia elétrica, fornecida através dos painéis solares instalados no telhado. Este é um grande passo para uma comunidade que até agora só tinha uma escola primária. Segundo com o site ‘Inhabitots’, o custo da escola, que terá capacidade para acolher cerca de 100 alunos, rondará os 4. 800 euros.