a seca provoca mais mortes do que vários fenómenos naturais juntos. Por isso, três agências das Nações Unidas estão reunidas em Genebra, na Suí­ça, para definir medidas que levem à implementação de políticas eficazes de combate ao fenómeno
a seca provoca mais mortes do que vários fenómenos naturais juntos. Por isso, três agências das Nações Unidas estão reunidas em Genebra, na Suí­ça, para definir medidas que levem à implementação de políticas eficazes de combate ao fenómeno a seca causa mais mortes e deslocamentos do que os furacões, as enchentes e os terramotos juntos, transformando-se no mais perigoso e destrutivo fenómeno natural, alertou a Organização das Nações Unidas (ONU). Por este motivo, três agências da ONU estão reunidas a partir desta segunda-feira, 11 de março, em Genebra, numa reunião sobre Política Nacional da Seca.
O objetivo do encontro passa por encontrar medidas de prevenção, políticas de administração e de controlo do problema. O evento foi organizado pela Organização das Nações Unidas para agricultura e alimentação (FaO), pela Organização Mundial de Meteorologia (OMM), e pela Convenção da ONU para o Combate à Desertificação (Unccd).
Para José Graziano da Silva, diretor-geral da FaO, as alterações climáticas têm contribuído para a ocorrência de secas mais rigorosas e mais frequentes que têm um impacto arrasador na segurança alimentar. Para acabar com este fenómeno, os governos devem criar comunidades resistentes. Não devem apenas reagir à falta da chuva, mas precisam de investir a longo prazo para que quando a seca ocorra, a população e os sistemas de alimentos possam superar o problema, disse, citado pela Rádio das Nações Unidas.
De acordo com estas agências, as secas mais recentes atingiram duramente o nordeste do Brasil, os Estados Unidos da américa, o México, a região do Corno de África e o Sahel. O fenómeno climático também pode ser visto com bastante intensidade na China, Índia, Rússia e em algumas áreas da Europa. Segundo a ONU, desde 1970 o território afetado pela seca mais do que duplicou. atualmente, 168 países sofrem com a desertificação de uma parte dos seus territórios.