Organização internacional de direitos humanos lamenta que o Presidente da Venezuela tenha deixado ao país um legado de «absoluta indiferença pelas garantias básicas dos direitos fundamentais»
Organização internacional de direitos humanos lamenta que o Presidente da Venezuela tenha deixado ao país um legado de «absoluta indiferença pelas garantias básicas dos direitos fundamentais» a presidência de Hugo Chávez esteve marcada por uma alarmante concentração de poder e indiferença absoluta pelas garantias básicas de direitos humanos, afirmaram esta quarta-feira, 6 de março, os responsáveis da Human Rights Watch (HRW), num comunicado emitido após a morte do Presidente da Venezuela. Para a organização, o líder da revolução boliviana e o seu governo conseguiram enfraquecer a capacidade dos venezuelanos de exercerem os seus direitos, intimando, censurando e perseguindo judicialmente quem se opunha à sua agenda política. a HRW criticou ainda o apoio público de Chávez aos líderes sírio, Bashar al assad; líbio, Muammar Kadafi, e iraniano, Mahmoud ahmadinejad – a quem distinguiu com a Ordem do Libertador -, e o facto de ter votado insistentemente contra as resoluções da assembleia Geral da ONU que condenavam as práticas abusivas de países como Coreia do Norte, Mianmar, Irão e Síria. Em vez de fomentar o pluralismo, o governo abusou de seu poder regulamentar para intimidar e censurar seus críticos, ampliando de um para seis os canais de comunicação administrados pelo governo, acrescentou a HRW, sublinhando que ao nível dos defensores dos direitos humanos, sempre houve por parte de Chávez uma tentativa de desacreditação, através da referência a alegados apoios do governo americano.