Organização de defesa dos direitos humanos revela a existência de pelo menos 22 jovens que aguardam no corredor da morte, no Iémen. Foram condenados por crimes que cometerem quando eram menores
Organização de defesa dos direitos humanos revela a existência de pelo menos 22 jovens que aguardam no corredor da morte, no Iémen. Foram condenados por crimes que cometerem quando eram menores Nos últimos cinco anos, pelo menos 15 jovens foram executados pelas autoridades iemenitas, por delitos cometidos quando eram menores, denuncia a organização internacional de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch (HRW), recordando que há neste momento 22 pessoas no corredor da morte, acusadas de crimes praticados na adolescência. O governo do Iémen deve deixar de pedir a pena de morte e de executar estas sentenças para os menores de idade, assinalam os dirigentes da organização, pedindo a revisão de todas as penas de morte, sobretudo nos casos em que se levantam dúvidas sobre a idade do réu à data do crime. Isto porque a legislação iemenita proíbe a aplicação da pena capital aos menores. a última execução, segundo a HRW, aconteceu no final do ano passado. Saná Barti foi morta por um pelotão de fuzilamento, acusada de um crime de homicídio, cometido quando tinha 15 anos. Há provas evidentes que Barti era uma menina quando foi acusada de homicídio e mesmo assim foi condenada à pena de morte, afirmou Priyanka Motaparthy, investigadora da HRW sobre direitos das crianças. a responsável destacou ainda o caso de três réus que já esgotaram todas as vias de recurso no sistema judicial iemenita, pelo que a sua execução poderá acontecer a qualquer momento. alguns destes suspeitos asseguraram aos elementos da HRW que foram ameaçados, maltratados e torturados pela polícia para assinarem confissões falsas. a organização recordou que além do Iémen, também no Irão, arábia Saudita e Sudão se têm registado execuções de delinquentes juvenis.