O responsável humanitário das Nações Unidas no Sudão do Sul expressou a sua profunda preocupação com os combates no estado oriental de Jonglei e pediu que acabem os ataques contra trabalhadores humanitários e bens
O responsável humanitário das Nações Unidas no Sudão do Sul expressou a sua profunda preocupação com os combates no estado oriental de Jonglei e pediu que acabem os ataques contra trabalhadores humanitários e bensOs combates voltaram a Jonglei, estado no leste do Sudão do Sul, com ataques a trabalhadores de agências humanitárias. Fui informado de ataques contra agentes humanitários e da apreensão de bens humanitários e instalações. Isso tem de parar, avançou Toby Lanzer, coordenador humanitário da ONU. Toby Lanzer acrescentou que os civis que necessitam de ajuda e proteção contra a violência devem ser autorizados a circular livremente e que a prestação da ação humanitária, neutra, imparcial e independente tem de ser respeitada por todos os atores armados. até à data, a ONU e os seus parceiros humanitários no Sudão do Sul responderam às necessidades de mais de 23 mil pessoas em akobo County, atingidas pelos combates a 8 de fevereiro em Walgak. De acordo com relatos da comunicação, a população de Walgak estava a migrar com gado, em direção ao norte em busca de zonas húmidas, quando foi atacada por uma força armada.