Uma responsável das Nações Unidas para os refugiados alertou para o enorme impacto humanitário da crise que atualmente dilacera a Síria, particularmente sobre os civis que se viram deslocados e enfrentam ameaças, como a violência baseada no género

Uma responsável das Nações Unidas para os refugiados alertou para o enorme impacto humanitário da crise que atualmente dilacera a Síria, particularmente sobre os civis que se viram deslocados e enfrentam ameaças, como a violência baseada no género
O alerta do alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (aCNUR) foi deixado pela comissária assistente para a Proteção, Erika Feller. O deslocamento [de pessoas] não implica apenas a perda de casas e da segurança económica. É também, para muitos, acompanhado de crimes de género, de uma vitimização deliberada de mulheres e crianças e de uma gama assustadora de ataques à dignidade humana, sublinhou perante o Conselho de Direitos Humanos, em Genebra. Os relatórios revelam que o conflito na Síria é cada vez mais marcado por violações e uma violência sexual empregada como arma de guerra para intimidar as partes em conflito, destruindo a dignidade, identidade e os tecidos sociais das famílias e das comunidades. Erika Feller disse que estes crimes são muitas vezes perpetrados em locais públicos, como postos de controlo militar, sublinhado a humilhação e o stresse que as pessoas deslocadas estão a passar.