O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Muallen, manifestou pela primeira vez abertura ao diálogo com a oposição, incluindo os grupos armados
O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Muallen, manifestou pela primeira vez abertura ao diálogo com a oposição, incluindo os grupos armados Estamos dispostos ao diálogo com todos os que desejam o diálogo, incluindo os grupos armados, afirmou o ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid al-Muallen, durante uma visita à Rússia, onde se mostrou recetivo à criação de uma coligação pacífica que pudesse negociar com a oposição interna e externa. a oposição síria, no entanto, anunciou a suspensão de vários encontros no exterior para denunciar o silêncio internacional sobre os crimes cometidos pelo regime de Bashar al-assad, após um violento ataque com mísseis contra a cidade de aleppo. ainda assim, o secretário de estado norte-americano, Jonh Kerry, voltou a pedir aos responsáveis da coligação que participem na reunião do fórum de amigos do Povo Sírio, agendada para 28 de fevereiro, em Roma, Itália. Os combates, que segundo as Nações Unidas já provocaram 70 mil mortos desde o início dos confrontos, têm-se intensificado nos últimos dias. O Conselho de Segurança da ONU chegou a analisar vários projetos de resolução para condenar o regime de assad, mas foram todos vetados pela China e pela Rússia, que é um dos principais aliados de Damasco. Entretanto, a alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, criticou segunda-feira, em Genebra (Suíça), o fracasso do Conselho de Segurança em levar ao Tribunal Penal Internacional o caso sírio. O presidente da assembleia Geral da ONU denunciou a carnificina que acontece na Síria.